Hoje,1 de abril de 2020

Dino dá nome a ponte que ainda não saiu do chão e já consumiu R$ 28 milhões

 21 total views

Dino vistoria obra da ponte que nunca saiu do chão – FOTO: Reprodução

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), editou um decreto para dar nome à ponte que o Governo do Estado segue tentando construir sobre o rio Pericumã, entre as cidades de Central e Bequimão, na Baixada Maranhense.

Assinado no dia 22 de janeiro deste ano, e publicado no Diário Oficial do Estado do mesmo dia, o ato denomina de “Governador Antônio Jorge Dino” a obra, ainda em execução.

Já devidamente nominada pelo comunista, a ponte Central-Bequimão nunca saiu do chão. Anunciada pelo governador como o “fim de uma lenda” durante a assinatura da ordem de serviço, a construção foi autorizada pelo em setembro de 2016.

Segundo o contrato firmado entre a Secretaria de Estado da Infraestrutura (Sinfra) e o Consórcio Epeng-FN Sondagens, a execução dos trabalhos deveria durar dois anos, a partir da assinatura da OS. Esse prazo venceu no dia 28 de setembro de 2018, há quase um ano e meio, portanto (saiba mais).

Apesar da lentidão, o consórcio responsável pela obra já recebeu valores milionários do Governo do Estado. Dados do Portal da Transparência apontam que até o fim de 2019 a Sinfra já havia realizado pagamentos da ordem de R$ 28,5 milhões. O valor total do contrato é de R$ 68,3 milhões.

OPERAÇÃO

A EPENG – uma das integrantes do consórcio vencedor da licitação para a obra – pertence ao empresário Francisco Antelius, maranhense preso em 2016 no Tocantins, no bojo da Operação Ápia, da Polícia Federal, que disse ter identificado fraudes em contratos de terraplanagem e pavimentação em 29 rodovias do estado vizinho.

De acordo com os federais, o esquema foi realizado entre os anos de 2013 e 2014, período durante o qual foram desviados cerca de 25% dos valores de um empréstimo internacional de R$ 1,2 bilhão ao Estado do Tocantins – com recursos do BNDES envolvidos.

A polícia acredita que os desvios chegam a R$ 200 milhões, dinheiro que teria sido repassado às empresas contratadas – a Epeng, inclusive – mesmo sem a conclusão das obras contratadas pelo Executivo. Há suspeitas de que parte dos recursos tenham sido desviados para campanhas eleitorais. Em depoimento, o empreiteiro chegou a confessar o pagamento de propina no Tocantins (reveja).

Do Blog do Gilberto Leda

Facebook Comments

Política de Privacidade dos Comentários

Os comentários regidos pelos leitores NÃO representam a opinião do Portal Coelho News. tendo como a autoria e total responsabilidade do autor da mensagem. Ofensas, preconceitos, ou qualquer mensagem que incita o ódio e a violência, ou ainda acusações levianas não serão aceitas.

O objetivo do painel de comentários é promover o direito da liberdade de expressão, respeitando o mínimo de bom senso e civilidade, abrindo espaço para um debate de acordo com o tema da matéria.

O Redator-Chefe do Portal Coelho News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Conteúdo protegido!