Hoje,25 de maio de 2022

Eleições 2018: pré-candidatos são proibidos de inaugurar obras a partir de julho

Faltando pouco mais de três meses para a eleição do dia 7 de outubro, os pré-candidatos devem ficar atentos ao calendário eleitoral. No mês de julho se iniciam prazos importantes. A partir do próxima sábado (07), os pré-candidatos ficam proibidos de participarem de inaugurações de obras. Veja algumas recomendações do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para o mês de julho ao final da matéria.

O governador Wellington Dias (PT) disse está atento ao prazo e demonstrou preocupação. Ele reuniu à equipe e pediu aos aliados cuidado e atenção para evitar possíveis crimes eleitorais.
A partir do dia 07 de julho, o governador não poderá participar da inauguração de obras. Fica vedada aos servidores públicos a prática de várias ações, como exonerar servidores públicos, demissão sem justa causa e realização de inaugurações ou contratar shows artísticos financiados com dinheiro público.
Wellington Dias afirma que a equipe precisa ficar atenta para evitar erros, que possam comprometer o futuro dos candidatos que possivelmente serão eleitos pela coligação. A orientação também passa pela aplicação dos recursos do empréstimo do Finisa, liberado pela Caixa Econômica Federal. Segundo o governador, a equipe jurídica orienta que os agentes já devem ficar atentos já a partir do dia 06.
“Fiz uma reunião com os parlamentares, tanto a bancada federal quanto a estadual. Vivendo a proximidade do calendário eleitoral em que há regras e limites. Colocamos a orientação explicando que, por exemplo, temos algumas ações que os órgãos estão trabalhando para garantir condições de pagamento até o dia 6 de julho. Trabalhamos com uma agenda com os órgãos. Tanto as orientações legais e técnicas como cronograma para os investimentos e aplicação por cada obra. São 14 órgão do Estado que estarão trabalhando para aplicação dos recursos de empréstimo em mais de 300 obras espalhadas em todo o estado do Piauí. Quando falo em todos é nos 224 municípios do estado do Piauí”, declarou.
A orientação passada pelo governador é para que a atenção seja redobrada no sentido de evitar ações futuras, que possa ameaçar a posse dos eleitos. Wellington destaca que mesmo com as restrições eleitorais, as obras não podem ser interrompidas.
“Pedimos atenção à lei eleitoral, especialmente, em relação àquelas obras que dependem de recursos da outra parcela do chamado Finisa I, que é o primeiro contrato com a Caixa Econômica que ainda falta liberar. Tivemos também orientações para os líderes porque vamos ter até o dia 06, quando é possível visitar e inaugurar obras. O apelo é para ninguém cometer crime eleitoral. Após esse período, qualquer manifestação, ato, qualquer inauguração ou visita às obras deve ter atenção. Isso pode colocar em risco para quem for candidato, a própria eleição, também cria problemas para o Estado”, destacou.
Segundo Wellington, o importante é que as obras continuem. “Há a necessidade de cumprir todas as regras. A boa notícia é que várias obras podem ser retomadas. Isso significa gerar emprego e renda e cumprir com metas para vários municípios. Obras que eram para terem sido feitas desde o ano passado, mas em razão desse vai e vem do contrato de empréstimo estavam paradas. Graças à Deus agora estão em andamento”, disse.
Recomendações do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) a partir do dia 07 de julho de 2018: 
1. Data a partir da qual são vedadas aos agentes públicos as seguintes condutas (Lei nº 9.504/1997, art. 73, incisos V e VI, alínea a):
1.1. Nomear, contratar ou de qualquer forma admitir, demitir sem justa causa, suprimir ou readaptar vantagens ou por outros meios dificultar ou impedir o exercício funcional e, ainda, ex officio, remover, transferir ou exonerar servidor público, na circunscrição do pleito, até a posse dos eleitos, sob pena de nulidade de pleno direito, ressalvados os casos de:
1.1.1. nomeação ou exoneração de cargos em comissão e designação ou dispensa de funções de confiança;
1.1.2. nomeação para cargos do Poder Judiciário, do Ministério Público, dos tribunais ou conselhos de contas e dos órgãos da Presidência da República;
1.1.3. nomeação dos aprovados em concursos públicos homologados até 7 de julho de 2018;
1.1.4. nomeação ou contratação necessária à instalação ou ao funcionamento inadiável de serviços públicos essenciais, com prévia e expressa autorização do chefe do Poder Executivo;
1.1.5. transferência ou remoção ex officio de militares, de policiais civis e de agentes penitenciários.
1.2. Realizar transferência voluntária de recursos da União aos estados e municípios e dos estados aos municípios, sob pena de nulidade de pleno direito, ressalvados os recursos destinados a cumprir obrigação formal preexistente para execução de obra ou de serviço em andamento e com cronograma prefixado, bem como os destinados a atender situações de emergência e de calamidade pública.
Data a partir da qual é vedado aos agentes públicos das esferas administrativas cujos cargos estejam em disputa na eleição (Lei nº 9.504/1997, art. 73, inciso VI, alíneas b e c, e § 3º):
2.1. Com exceção da propaganda de produtos e serviços que tenham concorrência no mercado, autorizar publicidade institucional dos atos, programas, obras, serviços e campanhas dos órgãos públicos federais, estaduais ou municipais, ou das respectivas entidades da administração indireta, salvo em caso de grave e urgente necessidade pública, assim reconhecida pela Justiça Eleitoral.
2.2. Fazer pronunciamento em cadeia de rádio e de televisão, fora do horário eleitoral gratuito, salvo quando, a critério da Justiça Eleitoral, tratar-se de matéria urgente, relevante e característica das funções de governo.
Data a partir da qual é vedada, na realização de inaugurações, a contratação de shows artísticos pagos com recursos públicos (Lei nº 9.504/1997, art. 75).
Data a partir da qual órgãos e entidades da administração pública direta e indireta poderão, quando solicitados, em casos específicos e de forma motivada, pelos tribunais eleitorais, ceder funcionários à Justiça Eleitoral (Lei nº 9.504/1997, art. 94-A, inciso II).
Regras para TV e rádio:
A partir deste sábado (30), as emissoras de rádio e televisão não poderão transmitir programas apresentados ou comentados por pré-candidatos às eleições gerais deste ano. A data está prevista no calendário eleitoral, aprovado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE).
Segundo a Lei nº 9.504/1997, Artigo 45, Parágrafo 1º, a partir desta data, é vedado às emissoras de rádio e de televisão transmitir programa apresentado ou comentado por pré-candidato, sob pena, no caso de sua escolha na convenção partidária, de imposição de multa à emissora e de cancelamento do registro da candidatura.
Por Lídia Brito
Com informações da Agência Brasil e TSE

Compartilhar

Política de Privacidade dos Comentários

Os comentários regidos pelos leitores NÃO representam a opinião do Portal Coelho News. tendo como a autoria e total responsabilidade do autor da mensagem. Ofensas, preconceitos, ou qualquer mensagem que incita o ódio e a violência, ou ainda acusações levianas não serão aceitas.

O objetivo do painel de comentários é promover o direito da liberdade de expressão, respeitando o mínimo de bom senso e civilidade, abrindo espaço para um debate de acordo com o tema da matéria.

O Redator-Chefe do Portal Coelho News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Deixe um comentário

error: Conteúdo protegido!